Gripe aviária: Finlândia vacinará humanos contra o H5N1

BRASILAGRO


GRIPE AVIARIA Foto Blog Agrimídia Divulgação

Vários países enfrentam surtos e estão monitorando a doença, como os EUA. Entenda o que ocorre lá fora, com o Brasil aplicando severo controle em sua produção para ficar fora dessa lista.

Confira as últimas notícias sobre um surto global de gripe aviária H5N1 que começou em 2020 e recentemente se espalhou entre bovinos dos EUA e mamíferos marinhos em todo o mundo. Há autoridades de saúde monitorando de perto esses surtos e especialistas preocupados com a possibilidade de o vírus sofrer mutação e eventualmente se espalhar para humanos, onde se revelou raro, mas mortal. A Forbes EUA preparou uma retrospectiva para você se atualizar do que ocorre no mundo e a Forbes Brasil ressalta que no nosso país não há registros de infecção de pessoas por vírus aviários.

No dia 15 de maio de 2023, foi detectado pela pela primeira vez o vírus em território nacional, diagnosticado em aves silvestres – o que não compromete a condição do Brasil como país livre da doença, de acordo com OMSA (Organização Mundial de Saúde Animal). De acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), até o final de junho, o Brasil havia registrado 164 focos da influenza aviária, a maioria em aves silvestres, com exceção de três casos de aves domésticas.

O Brasil tem realizado um rigoroso controle em seus aviários, visando barrar a entrada do vírus em seus plantéis. As ações retornam com força, com a chegada do inverno. Além do governo, entidades como a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), vem monitorando e destacando os cuidados nas granjas, principalmente em relação ao tráfego de pessoas nos locais de criação e medidas máximas de segurança.

A LINHA DO TEMPO

4 de julho

A Alemanha relatou um raro surto de gripe aviária H7N5 altamente patogênica em uma fazenda na região oeste do país, perto da fronteira com a Holanda, informou a OMSA. O surto matou 6.000 de um bando de 90.879 aves na cidade de Bad Bentheim, na Baixa Saxônia, disse a entidade, citando um relatório das autoridades alemãs. A doença foi detectada em 29 de junho e confirmada em 2 de julho.

A cepa H7N5 é diferente da H5N1, que dizimou bandos de aves e se espalhou para populações de mamíferos e alguns seres humanos em todo o mundo. Esse é o primeiro surto de H7N5 em qualquer lugar nos registros públicos da Organização Mundial de Saúde Animal sobre surtos globais de doenças animais, que remontam a 2005.

25 de junho

A Finlândia anunciou que planeja começar a vacinar populações vulneráveis, como trabalhadores agrícolas, contra a gripe aviária nesta primeira semana de julho, usando 10.000 séries de vacinas – cada uma com duas doses – adquiridas como parte de um acordo da União Europeia com o fabricante de vacinas CSL Seqirus para fornecer até 40 milhões de vacinas para 15 países.

11 de junho

A Organização Mundial da Saúde anunciou que uma criança de quatro anos na Índia foi infectada com a gripe aviária H9N2 – uma cepa de gripe diferente da H5N1 – mas se recuperou após sofrer convulsões, dificuldade respiratória, febre e cólicas abdominais. O H9N2 infectou cerca de 100 pessoas em todo o mundo desde 1998, e este é o segundo caso humano na Índia.

6 de junho

Dezenas de vacas infectadas com gripe aviária morreram ou foram abatidas no Colorado, Ohio, Michigan, Carolina do Sul e Texas, nos EUA, o que é incomum, já que – ao contrário das aves – as vacas custam mais para virem a óbito e cerca de 90% geralmente se recuperam totalmente, relatou a Reuters.

5 de junho

Um novo estudo que examinou o surto de gripe aviária de 2023 na América do Sul – que matou cerca de 17.400 filhotes de elefantes marinhos e 24.000 leões marinhos –, descobriu que a doença se espalhou entre os animais em vários países. Foi o primeiro caso conhecido de transmissão transnacional do vírus da gripe aviária de mamífero para mamífero.

30 de maio

Outro caso humano de gripe aviária foi detectado em um trabalhador de uma fazenda de laticínios em Michigan – embora os casos não estejam relacionados. Foi a primeira pessoa nos EUA a relatar sintomas respiratórios relacionados à gripe aviária, embora seus sintomas estejam “sendo resolvidos”, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

23 de maio

Um novo estudo com ratos sugere que beber leite infectado pode espalhar a doença – e que um certo tipo de pasteurização pode nem sempre ser eficaz para matar o vírus.

22 de maio

O estado de Michigan relatou gripe aviária em um trabalhador rural – o segundo caso humano nos EUA ligado à transmissão por vacas leiteiras. O trabalhador teve uma infecção leve e já se recuperou.

21 de maio

A Austrália relatou seu primeiro caso humano de gripe aviária depois que uma criança foi infectada em março, após viajar para a Índia. A criança se recuperou após sofrer de uma “infecção grave”, de acordo com o Departamento de Saúde de Victoria.

16 de maio

O USDA conduziu um estudo e descobriu que depois que altos níveis do vírus foram injetados na carne bovina, nenhum vestígio foi verificado depois da carne cozida de médio a bem passada, embora o vírus tenha sido encontrado em carne cozida em temperaturas mais baixas.

14 de maio

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, nos EUA, divulgaram dados de águas residuais da gripe A para as semanas que terminaram em 27 de abril e 4 de maio e descobriram que vários estados como Alasca, Califórnia, Flórida, Illinois e Kansas tiveram níveis excepcionalmente altos, embora a agência não tenha certeza se o vírus veio de humanos ou animais e não é capaz de diferenciar os subtipos de influenza A, o que significa que o vírus H5N1 ou outros subtipos podem ter sido detectados.

10 de maio

A Food and Drug Administration anunciou que comprometerá US$ 8 milhões (R$ 45 milhões na cotação atual) adicionais para garantir que o fornecimento comercial de leite seja seguro, enquanto o Departamento de Agricultura disse que pagará até US$ 28 mil (R$ 156 mil) por fazenda para ajudar a mitigar a propagação da doença, totalizando cerca de US$ 98 milhões (R$ 550 milhões) em fundos.

9 de maio

Cerca de 70 pessoas no Colorado estão sendo monitoradas para gripe aviária devido à exposição potencial e serão testadas para o vírus se apresentarem algum sintoma, disse o Departamento de Saúde Pública do Colorado à Forbes – não ficou imediatamente claro como ou quando as pessoas foram potencialmente expostas.

1º de maio

O USDA disse que testou 30 produtos de carne moída em supermercados para a gripe aviária e todos deram negativo, reafirmando que o fornecimento de carne é seguro.

1º de maio

Também nesse dia, a Food and Drug Administration confirmou que os laticínios ainda são seguros para consumo, anunciando que testou amostras de produtos como fórmula infantil, leite infantil, creme de leite e queijo cottage em supermercados, e nenhum vestígio vivo do vírus da gripe aviária foi encontrado, embora alguns resíduos mortos foram encontrados em alimentos. Nenhum desses alimentos eram para bebês.

30 de abril

Wenqing Zhang, chefe do Programa Global de Gripe da OMS, disse durante uma coletiva de imprensa que “há o risco de vacas de outros países serem infectadas” pelo vírus da gripe aviária, uma vez que ele é comumente transmitido por causa do movimento de aves migratórias.

29 de abril

O USDA disse à Forbes que começará a testar amostras de carne moída de supermercados em estados com surtos de vacas e testará carne moída cozida em diferentes temperaturas e infectada com o vírus para determinar se é segura para consumo.

24 de abril

O USDA disse que a transmissão de vaca para vaca pode estar ocorrendo devido ao contato das vacas com leite cru – e alertou contra humanos e outros animais, incluindo animais de estimação, que consomem leite não pasteurizado para prevenir possíveis infecções.

18 de abril

Jeremy Farrar, cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde, disse durante uma coletiva de imprensa que a ameaça da propagação da gripe aviária entre humanos era uma “grande preocupação”, uma vez que evoluiu e tem infectado cada vez mais mamíferos (em terra e no mar), o que significa poderia possivelmente se espalhar para os humanos.

1º de abril

O CDC relatou o segundo caso humano de gripe aviária nos EUA em um produtor de leite do Texas. Ele foi infectado após contrair o vírus de vacas leiteiras infectada e já se recuperou.

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O H5N1

A GRIPE AVIÁRIA PODE SE ESPALHAR ENTRE OS HUMANOS?

A gripe aviária não “transmite facilmente de pessoa para pessoa”, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. A gripe aviária raramente afeta humanos, e a maioria dos casos anteriores veio de contato próximo com aves infectadas, de acordo com o CDC.

Como a propagação da gripe aviária entre humanos apresenta “potencial pandêmico”, cada caso humano é investigado para descartar esse tipo de infecção. Embora nenhum tenha sido confirmado, existem alguns casos globais onde a transmissão da gripe aviária entre humanos foi considerada “provável”, incluindo na China, Tailândia, Indonésia e Paquistão.

A GRIPE AVIÁRIA É FATAL PARA OS HUMANOS?

É muito mortal. Entre janeiro de 2003 e 28 de março de 2024, ocorreram 888 casos humanos de infecção por gripe aviária em humanos, de acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde. Desses 888 casos, 463 (52%) morreram. Até o momento, apenas duas pessoas nos EUA contraíram a gripe aviária H5N1 e ambas foram infectadas após entrarem em contato com animais doentes e se recuperaram totalmente. No Brasil não há relato de casos.

É SEGURO BEBER LEITE INFECTADO COM GRIPE AVIÁRIA?

Leite cru e não pasteurizado não é seguro para beber, mas leite pasteurizado é bom, de acordo com o FDA. A gripe aviária foi detectada tanto em leite não pasteurizado quanto em leite pasteurizado, mas o FDA recomenda que os fabricantes não produzam e vendam leite não pasteurizado, pois existe a possibilidade de causar infecção. No caso do leite pasteurizado, os remanescentes do vírus foram desativados pelo calor durante o processo de pasteurização, portanto, esse tipo de leite é considerado seguro para consumo.

É SEGURO CONSUMIR CARNE INFECTADA COM GRIPE AVIÁRIA?

O CDC alerta contra o consumo de carne crua ou ovos de animais “confirmados ou suspeitos” de terem gripe aviária em função da possibilidade de transmissão. No entanto, nenhum ser humano jamais foi infectado pela gripe aviária por comer carne devidamente preparada e cozida, segundo a agência.

A possibilidade de carne infectada entrar no abastecimento alimentar é “extremamente baixa” por causa da inspeção rigorosa, de modo que a carne devidamente manuseada e cozida é segura para consumo, de acordo com o USDA. Para saber disso, os cortes inteiros de carne bovina devem ser cozidos a uma temperatura interna de no mínimo 65 graus Celsios, a carne moída deve estar a 70 graus e as de aves devem ser cozidas a 75 graus. Bifes considerados mal passados ficam abaixo dessa temperatura.

No caso de ovos cozidos, a temperatura interna deve também ser de 75 graus para matar bactérias e vírus, incluindo a gripe aviária, de acordo com o CDC. “Não importa se eles podem ou não ter gripe [aviária]… ovos escorrendo e pedaços de carne mal passados nunca são recomendados”, disse à Forbes Francisco Diez-Gonzalez, diretor e professor do Centro de Segurança Alimentar da Universidade da Geórgia (nr: embora haja discordância em relação a isso para produtos rastreados) . Para “jogar pelo seguro”, os consumidores devem comer apenas ovos totalmente cozidos e certificar-se de que “as gemas estão firmes e sem partes escorrendo”, disse também Daisy May, médica veterinária da empresa Medivet, sediada no Reino Unido.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA GRIPE AVIÁRIA EM HUMANOS?

Os sintomas da gripe aviária incluem febre, tosse, dor de cabeça, calafrios, falta de ar ou dificuldade para respirar, coriza, congestão, dor de garganta, náusea ou vômito, diarréia, olho rosa, dores musculares e dor de cabeça.

No entanto, o CDC informa que não pode ser diagnosticada apenas com base nos sintomas e são necessários testes laboratoriais. Isso normalmente inclui coletar material no nariz ou na garganta (trato respiratório superior).

COMO A GRIPE AVIÁRIA ESTÁ AFETANDO OS PREÇOS DOS OVOS?

Nos EUA, os preços dos ovos neste ano aumentaram à medida que a produção diminuiu por causa dos surtos de gripe aviária entre as aves, de acordo com o USDA. Uma dúzia de ovos grandes de grau A nos EUA custava cerca de US$ 2,99 em março (R$ 16,40 na cotação atual), quase um dólar acima do outono.

No entanto, este preço caiu em relação ao recorde de US$ 4,82 em janeiro de 2023 (R$ 26,40), que também se deu por causa dos surtos de gripe aviária. No início de junho, a Cal-Maine Foods – o maior produtor de ovos dos EUA – interrompeu temporariamente a produção depois que mais de um milhão de galinhas poedeiras e galinhas de genética para corte foram abatidas, após serem infectadas com a gripe aviária.

POR QUE OS PRODUTORES ABATEM GALINHAS COM GRIPE AVIÁRIA?

Depois que as galinhas são infectadas com a gripe aviária, os produtores abatem esses animais rapidamente para ajudar a controlar a propagação do vírus, uma vez que a gripe aviária é altamente contagiosa e fatal nas aves. O USDA paga aos produtores por todas as aves e ovos que tenham de ser descartados devido à gripe aviária, como um incentivo para tentarem conter a propagação da doença de forma responsável.

O USDA gastou mais de US$ 1 bilhão (R$ 5,5 bilhões) em compensação pela gripe aviária para agricultores desde 2022, de acordo com a organização sem fins lucrativos Food & Environment Reporting Network.

EXISTE VACINA PARA A GRIPE AVIÁRIA (H5N1)?

O FDA aprovou algumas vacinas contra a gripe aviária para humanos. Os EUA têm um estoque de vacinas para a gripe aviária H5N1, mas não seria suficiente para vacinar todos os norte-americanos se ocorresse um surto entre humanos. Se ocorrer um surto humano, o governo planeja produzir vacinas em massa, o que pode levar pelo menos seis meses para atender sua população.

A CSL Seqirus, fabricante de uma das vacinas aprovadas, espera ter 150 milhões de vacinas prontas no prazo de seis meses após o anúncio de uma pandemia de gripe aviária humana. Embora existam vacinas aprovadas para outras variantes destinadas a aves, não há nenhuma em circulação para a variante H5N1. No entanto, o USDA iniciou testes com vacinas específicas para animais contra o H5N1 em 2023.

O que aconteceu no mundo, nos últimos tempos

Em 30 de maio, a conta estava em mais de 92 milhões de aves (principalmente galinhas) em 48 estados, NOS EUA, que foram sacrificadas por causa da gripe aviária desde 2022, e 57 rebanhos de vacas leiteiras em nove estados tiveram resultados positivos, de acordo com dados do CDC (ao contrário de galinhas, vacas parecem se recuperar do vírus).

O USDA acredita que as aves migratórias selvagens são a fonte original dos surtos em vacas que recentemente deixaram os especialistas preocupados com a possibilidade de sofrerem mutações e se espalharem mais facilmente em humanos, embora o CDC afirme que o risco para o público permanece baixo.

Jeremy Farrar, diretor científico da agência de saúde da ONU classificou as infecções de gado nos EUA como uma “grande preocupação”, instando as autoridades de saúde pública a continuarem monitorando de perto a situação “porque ela pode evoluir para transmissão de diferentes maneiras”.

O aumento do número de infecções por gripe aviária em mamíferos desde 2022 “pode indicar que o vírus está à procura de novos hospedeiros e, claro, aproximando-se das pessoas”, disse Andrea Garcia, vice-presidente de ciência, medicina e saúde pública da American Medical Association.

O primeiro relato de uma morsa morrendo de gripe aviária foi detectado em abril em uma das ilhas árticas da Noruega, e o primeiro golfinho dos EUA infectado com gripe aviária morreu em 2022, de acordo com um relatório publicado em 18 de abril, relatados à Organização Mundial da Saúde em 2023, e todos, exceto um, sobreviveram.

A gripe aviária devastou as populações de aves e 67 países relataram a morte de 131 milhões desses animais somente em 2022. Embora a gripe aviária normalmente infecte aves selvagens e aves de criação, ela se espalhou para outros animais durante o surto, e pelo menos 10 países relataram surtos em mamíferos desde 2022.

Cerca de 17.400 filhotes de elefantes marinhos morreram de gripe aviária na Argentina em 2023, e pelo menos 24.000 leões marinhos morreram na América do Sul no mesmo ano.

Além do gado, a gripe aviária foi detectada em mais de 200 outros mamíferos – como focas, guaxinins e ursos – nos EUA desde 2022. Embora rara, mesmo animais domésticos como cães e gatos são suscetíveis ao vírus, e a FDA alerta contra a administração de alimentos não pasteurizados e leite aos gatos para evitar uma possível transmissão.

Entenda o que foi a única confirmação em humanos até agora

Em 5 de junho, a OMS confirmou a primeira morte humana por uma cepa de gripe aviária que nunca havia sido vista em humanos e é separada do H5N1. Um homem de 59 anos, no México, contraiu H5N2. A morte ocorreu em 24 de abril, após ser hospitalizado e desenvolver febre, diarreia, náusea, falta de ar e desconforto geral. Casos de H5N2 foram relatados em aves no México, mas o homem não tinha histórico com aves ou animais, disse a OMS. Até agora, não está claro como foi infectado. Ele já se encontrava acamado semanas antes da infecção e sofria de vários outros problemas de saúde (Forbes, 5/7/24)



COMENTÁRIOS